Um novo consumidor: indústria da alimentação mudará mais nos próximos dez anos que nos últimos 50 | ANUFOOD Brazil | Feira internacional para o setor de alimentos e bebidas

Um novo consumidor: indústria da alimentação mudará mais nos próximos dez anos que nos últimos 50


post-thumb


O painel do  Congresso ANUFOOD Brazil 2020 acerca das tendências no consumo de alimentos reuniu diferentes especialistas e perspectivas do setor. Um consenso, porém, emergiu: a era digital chegou a essa indústria e, como consequência, as coisas estão mudando – e rápido.

 

“Nos próximos dez anos teremos mais transformações do que nos últimos 50” disse Luiz Madi diretor de Assuntos Institucionais do Estado de São Paulo. “Estamos nos referindo à comercialização, distribuição e, claro, ao próprio consumo. Há uma nova geração, que prioriza a saudabilidade e a sustentabilidade dos alimentos”.

 

Juan Francisco Morales, Vice-Presidente da Fundação Europeia para Inovação, foi na mesma direção e disse que, dadas as dificuldade de fazer previsões, falaria sobre os próximos cinco anos, não sobre os próximos dez.

 

“A melhora na expectativa de vida da população tem várias raízes, mas não tenham dúvidas que uma delas é a alimentação”, assegurou. E ela seguirá mudando, disse, com o crescimento do consumo de frutas e legumes, e queda no consumo de carne vermelha e açúcar, e avanços tecnológicos na agricultura (exemplo: chegada da conexão 5G).

 

Já Renato Dolci, do BTB Data, focou sua apresentação no consumidor digital e na sua relação com as redes sociais. “A profusão de informação que temos no mundo é muito maior do que nossa capacidade de analisá-la. E essa diferença está aumentando e acelerando”, disse. “Falamos e pesquisamos muito sobre alimentação. No Brasil, ela só perde em repercussão para futebol e carros”.

 

As tendências, identificadas na internet e apontadas por Dolci, se alinham às que Madi e Morales haviam falado, com maior procura por alimentos menos processados e mais saudáveis, com menos glúten, lactose e agrotóxicos. Uma distinção elencada pelo especialista, porém, chama a atenção, e diz respeito ao fenômeno da gourmetização.

 

“Os consumidores estão, por um lado, pesquisando formar de sofisticar as receitas que fazem em casa. Por outro, buscando restaurantes que dispõem do serviço de delivery. Há o claro desejo de se comer melhor”.

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × cinco =